Há cura para o Transtorno de Personalidade Borderline?

Oi pessoal!

Essa é uma pergunta que eu recebo muito por e-mail. E acho que todos nós já nos perguntamos isso. Não existe um consenso em relação a essa resposta. Talvez na psiquiatria sim, onde o consenso diz que não há cura. Mas, alguns especialistas já dizem que há recuperação. E essa recuperação pode ser entendida ou não como cura. Eu sinceramente não penso em “cura” e sim em ser uma pessoa feliz e para isso tenho trabalhado a minha auto-confiança, meu amor-próprio e o auto-controle das minhas emoções.

Me lembro que uma vez, buscando sobre “cura do TPB” na internet, encontrei um artigo de uma borderline em recupeção chamada A.J Mahari. Ela tem um site http://borderlinepersonality.ca/ com artigos, vídeos (excelentes), etc. A.J Mahari é hoje uma “Life Coach”, isto é, ela dá uma espécie de treinamento  para pessoas com TPB aprenderem a superar diversas questões que envolvem o transtorno. E ela não é a única. Esse tipo de treinamento, dado por borderlines em recuperação, está se tornando muito habitual nos EUA.  O artigo que encontrei da A.J há quase 1 ano atrás falava sobre essa “cura”. Que coloco aqui em parêntesis porque não tenho a pretensão de dar as respostas a ninguém, o mais importante é que cada um encontre a sua, ou melhor, as suas.

Eu gostei muito desse artigo e acho que é esse o caminho para a recuperação!

© Ms. A.J. Mahari – 23 de dezembro de 2000, com a data 25 de janeiro de 2004 e dezembro de 2

Existe uma cura para o Transtorno de Personalidade Borderline? TPB pode ser curado? A palavra “cura” é relevante?

Eu, recuperada do TPB há 14 anos digo que ele pode ser superado, com certeza. Eu estou curada, não é? Aprender a identificar suas escolhas e assumir a responsabilidade por elas é o caminho para “a cura”.

É uma cura, por assim dizer. Claro que você sabia que eu ia dizer isso né? Eu me recuperei do TPB. Isso não significa que eu estou “curada”? É apenas semântica? Existe uma diferença significativa na terminologia antes e após a recuperação?

Tenha em mente que eu sempre pensei que quando se trata de transtornos de personalidade e de doenças mentais, geralmente usamos os termos recuperado ou curados. Cura parece, para mim, ser mais aplicável a doenças físicas. Como tenho experiência e, como muitos profissionais acreditam, a psicoterapia pode alterar a biologia do nosso cérebro. O debate continua.

Eu sei que existe uma maneira de ficar melhor e deixar para trás o TPB. No entanto, eu não pensaria nisso como uma cura singular, mas sim uma série de milhares de curas. Com isto quero dizer que cabe a cada indivíduo para desfazer o relacional – dano emocional que é o grande responsável pela reação = mecanismos de defesa e rigidez cognitiva do TPB. Milhares de “curas”, porque o TPB é como um transtorno de camadas abrangendo muitas questões. Todas estas questão tem que ser adequadamente solucionados para que a pessoa se recupere.

Eu sei que isso não é agradável de ler quando você tem TPB, mas o transtorno é uma série de escolhas inadequadas, no geral. Aprender novas maneiras saudáveis de se relacionar com você e com os outros, novas formas saudáveis de pensar, perceber, agir, ser e sentir levará ao amadurecimento emocional necessário para deixar para trás o TBP.

Muitos não gostam quando eu falo de escolhas, mas quando somos jovens fazemos escolhas, escolhas subconscientes que se tornam padrões e hábitos. TBP é uma personalidade “desordenada.” Nós fazemos escolhas a todo momento. E em alguns momentos, ou, no caso do TPB, talvez, grande parte desse tempo, não estamos mesmo cientes de todas as escolhas que estamos fazendo. Por exemplo, você pode sentir raiva de alguém por alguma coisa. Se você pensar só em si mesmo, ou nos seus sentimentos de raiva, o que você vai perder é o fato de que o estar zangado com alguém é uma escolha. É uma escolha que dói mais em você do que jamais doeria na  pessoa de quem você está com raiva. Se você não sabe que o seu comportamento ou atitude em relação a alguém é uma escolha, você definitivamente precisa de mais autoconsciência.

No meu processo de recuperação eu não pensava em ser ou ficar curada. Pensei em ficar melhor, me sentir melhor, trabalhando a minha dor e aprendendo a me relacionar com os outros de uma forma condizente com a minha idade e consistente. Eu tive que trabalhar no processo de recuperação e deixar para trás a dor de uma criança, a fim de “crescer”. Se você segurar a dor do seu filho (interno – você) e não curá-lo, ele irá retê-lo e mantê-lo preso no padrão de comportamento do TBP.

Recuperar-se do TPB é um processo longo de questões a desembaraçar, de idéias distorcidas, pensamentos, reações e percepções errôneas. É uma questão de escolhas que foram feitas em uma idade muito jovem como resultado da dor sentida, das necessidades não satisfeitas, das ameaças  físicos e / ou emocionais ou trauma. É preciso aprender a compreender como você faz escolhas, e isso irá permitir-lhe em seguida, tomar a responsabilidade para si, suas escolhas e suas ações não importando qual o motivo que você percebe como a causa deles. Esta é a pedra fundamental para a cura do TPB, simplesmente – RESPONSABILIDADE PESSOAL.

É só estando hoje do outro lado do TPB, que eu posso honestamente compreender quão ilógico meus pensamentos e percepções foram. O outro aspecto do TPB que muitos não trabalham é o medo. Muitos com TPB vivem suas vidas dentro e fora do medo. Reações automáticas ao medo sempre produzem reações aparentemente ilógicas.

Minha sugestão seria a de pensar no que você (que significa qualquer pessoa que está lendo, e não alguém especificamente) pode fazer para se sentir e ser melhor. O que você pode fazer para lamentar o que dói? O que você pode fazer para aprender a se relacionar com você mesmo e com os outros? Fique de olho nas mudanças pequenas. Dê-se crédito e esteja determinado a melhorar. Focalizar em uma “cura” pode ser uma maneira eficaz de manter-se preso e / ou sentir que é tudo demasiado. Tomando uma questão de cada vez e trabalhar duro para isso em sua vida e na terapia, sempre trabalhando para melhorar a sua auto-consciência é a maneira de dar um passo de cada vez no processo de cura

Recuperar-se do TPB (ou não) é uma escolha. Para a maioria dos limítrofes, a questão que precisa ser trabalhada são numerosas, entrelaçadas e interconectadas. Este problema pode não ter todos a mesma causa. Portanto a melhor maneira de se curar do TPB é adaptar-se a uma abordagem eclética. Encontre o que funciona para você, o que tem significado para você e permita-se continuar a desafiar a sua dor e percepções.

TBP não pode ser curado com uma pílula. TBP não pode ser curado pela terapia sozinha. TBP é superar ou se render aos acontecimentos em seu passado, é quando a pessoa amadurece emocionalmente ao ponto de encontrar as suas próprias necessidades, tendo o cuidado de si mesmo, possuindo a responsabilidade pessoal e finalmente ser capaz de nutrir e acalmar a si mesmo.

A cura para o TPB não é uma ilusão como você pôde ter pensado. Ela está dentro do “eu”que você precisa encontrar, conhecer e com quem você precisa ter uma boa relação.

Conhecer a si mesmo como um ser separado que esteja ligado a outras pessoas, como uma parte do todo, não como o centro do universo e não de forma  co-dependente é também uma grande parte do que significa ser recuperado do TPB.

Não espere por alguém para curá-lo, para tornar a sua vida, seus problemas, seu mundo melhor – as respostas que você precisa estão dentro de você. Trabalhe com seu terapeuta, mas entendendo que, enquanto outros podem ajudar você, é você que está no comando de sua própria recuperação.

© Ms. A.J. Mahari – 23 de dezembro de 2000, com a data 25 de janeiro de 2004 e dezembro de 2

Vamos lá gente! Muita força e determinação!!!

Um abraço apertado em todos vocês, que são mais que especiais =)

Anúncios

Empatia Borderline

Oi Gente!! Esse é um artigo que fala sobre a nossa empatia, que nada mais é que a capacidade de perceber as emoções dos outros. Dizem por ai que não temos empatia. Então é legal ver um P.h.D falando exatamente o contrário!

Vamos sair desse atraso Brasil…

Empatia Borderline

Publicado em 29 de julho de 2009 por Eric A. Fertuck, Ph.D. em Science at the ‘border’

“Os olhos dos outros as nossas prisões;. Seus pensamentos nossas gaiolas”
 Virginia Woolf

 Aqueles intimamente familiarizado com o TBP têm notado um paradoxo. Por um lado, as pessoas com TBP apresentam diferentes graus de aparente distorção na maneira de interpretar a comunicação verbal e não verbal dos outros. Isso muitas vezes toma a forma de atribuir intenções ofensivas a outros com base em sugestões limitadas, seletivas, ou ambíguas. Por outro lado, muitos com TPB também observaram uma capacidade astuta para ler exatamente as expressões emocionais dos outros. As pessoas podem ser apanhados desprevenidos, se uma pessoa com TPB percebe seu estado emocional atual. Alguns especialistas tem chamado isso de “empatia borderline”. A Psicóloga-Psicanalista Dr. Alan Krohn, em seu artigo 1974 classic “,” empatia “Borderline e diferenciação das representações de objetos: Uma contribuição para a psicologia das relações de objeto”, descreveu este fenômeno em uma jovem mulher com TBP que chamaremos Sra. L .

“[A Sra. L] foi hospitalizada depois de períodos de [perturbação] comportamentos em casa, pintura do carro de um vizinho, encheu a geladeira com cereal frio, fez uso indiscriminado de barbitúricos, alucinógenos e maconha. Ela parecia incapaz de suportar qualquer separação da mãe sem a intensa ansiedade ou depressão ….

“Miss L. teve uma notável sensibilidade à turbulência nos outros pacientes e funcionários [do hospital]. [Ela] descreveram, teve  estranhas” vibrações “de um paciente que mais tarde saiu e estava em uma grande confusão sobre as experiências traumáticas de guerra “.

“Ela disse: ‘há algo errado com ele, ontem … Eu olhei para ele e parecia que ele estava vendo alguém ser morto.” Acontece que ele estava de fato preocupado com pensamentos de brutalidades que ele testemunhou em uma batalha. “

Como é que vamos estudar este fenômeno paradoxal cientificamente, e essas pesquisas podem lançar luz sobre esses fenômenos?

Meus colegas e eu possa publicamos recentemente uma peça do puzzle. Nós apresentamos os resultados na revista Psychological Medicine, o que sugere que os indivíduos com TPD pode ter um reforço de uma forma particular de reconhecimento de emoções, chamado de “discriminação do estado mental”, com base na região dos olhos do rosto humano.

Nós comparamos os indivíduos com TPD com os indivíduos, sem as principais formas de transtorno emocional através de um teste chamado “Lendo a mente nos olhos de teste.”

A Mente no Olho avalia a capacidade de discriminar os estados mentais dos outros, utilizando estímulos somente a partir da região dos olhos da cara, escolhendo o estado mental mais preciso de uma das quatro palavras que podem descrever o estado mental. É composto de um escore total e também dezenas de expressões emocionais Negativas, Positiva e Neutras.

Curiosamente, em contraste com as pessoas com TBP, a mente no desempenho da interpretação das emoções através dps olhos é comprometida em outras condições psicopatológicas, como esquizofrenia e transtornos autistas, sugerindo diferentes causas subjacentes nestas condições em relação ao TPB. Este estudo sugere que, quando não estão sob estresse ou emoções elevadas, os indivíduos com TPB têm uma maior capacidade de discriminar estados mentais com base apenas na região dos olhos, especialmente para “neutra”, afirma. Esta evidência experimental é consistente com a teoria “paradoxal” da avaliação de comunicação social no TBP. Ou seja, parece que o TBP é caracterizado pela instabilidade das relações interpessoais e maior sensibilidade para os estados mentais dos outros.

Para ilustração, um indivíduo com TPD pode identificar uma expressão facial sutil nos outros, indicando a raiva (por exemplo, a testa franzida, na região dos olhos). A outra pessoa pode realmente se sentir irritado, mas pode não estar totalmente focado e ciente dessa emoção em si no exato momento que a emoção é percebida pelo indivíduo com TBP. Curiosamente, embora freqüentemente são precisos para perceber a emoção, os indivíduos com TPB muitas vezes parecem “levar para o pessoal” as emoções dos outros (“você deve estar com raiva de mim”), mesmo quando existem outras explicações igualmente plausível para o estado emocional do outro (por exemplo, a pessoa só recebeu notícias preocupantes de um amigo).

Dada a sensibilidade interpessoal e emocional associados com o TBP (tais como preocupações sobre abandono, reações emocionais intensas de rejeição e abandono), a hiper-sensibilidade de sutis sinais sociais pode ser a base dos aspectos do DBP. O sofrimento emocional subjacente a esta sintonia(sensibilidade) é aludida por Virginia Woolf na citação no início deste post. Esta investigação e pesquisas relacionadas são uma promessa considerável para melhorar a compreensão do TBP. Eventualmente, estas descobertas irão ajudar no desenvolvimento de tratamentos que podem ser sintonizadas com a maneira única em que os indivíduos com este transtorno percebem as pessoas em suas vidas diárias.

 Gostaram???

Força ai gente! Que tudo pode melhorar e vai =)

Como lidar com uma pessoa amada que tem o TPB

Oi pessoal!

Esse é um texto muito bom que tirei do site http://www.borderlinepersonalitydisorder.com/ (Nacional Education Alliance for Borderline Personality Desorder) e fala um pouco dessa relação com a família e a pessoa com TPB. Ele tem várias dicas ótimas 😉

Depois posto um que fale sobre relação amigos e/ou namorados(as).

Joguei no googletradutor e fiz algumas correções, mas não muitas porque o texto é grande e estou sem tempo.

Então, vamos lá?

OBJETIVOS: Vá devagar!

1. Lembre-se que a mudança é difícil de conseguir e cheia de medos. Seja cauteloso ao sugerir que um progresso “grande” e dizer “Você pode fazer isso”. Progresso evoca temores de abandono.

As famílias das pessoas com Transtorno de Personalidade Borderline podem contar inúmeras histórias de casos em que seu filho ou filha entrou em crise quando essa pessoa estava começando a funcionar melhor ou assumindo mais responsabilidades. A melhora com uma recaída é confusa e frustrante, mas tem uma lógica para isso. Quando as pessoas fazem o progresso – através do trabalho , ajudando em casa, diminuindo os comportamentos auto-destrutivos, ou que vivem sozinhos, eles estão se tornando mais independente. Eles correm o risco de que aqueles em torno deles que têm apoiado na causa, protegendo-os vão se afastar, concluindo que seu trabalho está feito. A prestação da assistência emocional e financeira podem, em breve secar, deixando a pessoa a cuidar de si mesma no mundo. Assim, surge o medo do abandono. Sua resposta ao medo é uma recaída. Eles não podem tomar uma decisão consciente para a recaída, mas o medo e a ansiedade podem levá-los a usar velhos métodos de enfrentamento. dias perdidos no trabalho, auto-mutilação, uma tentativa de suicídio, ou um ataque de hiperfagia ou de consumo exagerado de compras ou uso e drogas pode ser um sinal que permite a todos a sua volta saber que o indivíduo permanece em perigo e precisa de sua ajuda. As recaídas podem obrigar aqueles ao seu redor a assumir a responsabilidade por ela, através de medidas de proteção, tais como a hospitalização. Depois de hospitalizada, ela voltou ao seu estado mas regrediu no momento em que ela não tem responsabilidades, enquanto outros tomam conta dela.

Quando aparecem sinais de progresso, os membros da família podem reduzir o risco de recaída, não mostrando muita empolgação sobre o progresso e alertando o indivíduo a se mover lentamente. É por isso que os membros mais experientes da equipe do hospital devem dizer a pacientes borderline, durante a terapia, que se sentem confiantes quanto às suas perspectivas, mas que sabem que o paciente vai enfrentar muitos problemas pela frente. Embora seja importante reconhecer o progresso com um tapinha nas costas, é entretanto necessário para transmitir a compreensão que o progresso é muito difícil de alcançar. Isso não significa que a pessoa não possa superar seus conflitos emocionais. Você pode fazer isso, evitando declarações como: “Você fez um grande progresso”, ou “Eu estou tão impressionado com a mudança em você.” Essas mensagens significam que você acha que eles estão bem ou sobre os seus problemas anteriores. Mesmo as declarações de garantia, tais como: “Isso não foi tão difícil”, ou “Eu sabia que você poderia fazer isso”, sugiro que você minimize sua luta. Uma mensagem como “Seu progresso mostra o esforço real. Você trabalhou duro. Estou feliz que você foi capaz de fazê-lo, mas eu estou preocupado que isso tudo é muito estressante para você “, pode ser mais empáticas e menos arriscada.

2. Abaixe suas expectativas. Estabeleça metas realistas que são atingíveis. Resolver problemas grandes em pequenos passos. Trabalhe em uma coisa de cada vez. Os objectivos a longo prazo podem levar ao desânimo e ao fracasso.

Embora a pessoa com BPD possa ter muitas vantagens óbvias, como inteligência, ambição, boa aparência e talento artístico, ela ainda assim é prejudicada por graves vulnerabilidades emocionais quando ela se põe a fazer uso desses talentos. Geralmente a pessoa com TPB e seus familiares têm aspirações, com base nestes pontos fortes. O paciente ou sua família pode empurrar para o retorno à faculdade, a pós-graduação, ou um programa de treinamento que irá prepará-la para a independência financeira. Os membros da família pode desejar ver paciente em seu próprio apartamento e cuidar de si mesma de forma mais independente. Alimentada por essas grandes ambições, uma pessoa com TPB terá um grande passo de cada vez. Ela pode insistir em voltar em voltar a faculdade integralmente , apesar de ter passado por internações recentes, por exemplo. O problema é que isso pode levar levar a uma exposição inadequada da raiva, para um ato auto-destrutivo, se sentiu-se ser um fracasso total , gerando ansiedade que o sucesso na escola levaria a diminuição da preocupação dos pais. A questão principal sobre o sucesso na arena profissional é a ameaça de independência muito desejada, mas cheia de medo do abandono. O resultado de um passo muito grande em frente de uma só vez é muitas vezes uma chance de cair na direção oposta, como o balanço de um pêndulo. A pessoa geralmente tem recaídas e volta a um estado de regressão e pode mesmo exigir internação.

Uma tarefa muito importante para as famílias está em abrandar o ritmo em que o paciente procura alcançar objetivos. Diminuindo o ritmo, que impedessam a oscilações do pêndulo, conforme descrito, e evitar experiências de fracasso que se funde com a confiança do indivíduo de si mesmo. Ao diminuir as expectativas e estabelecendo pequenas metas a serem alcançados passo a passo, os doentes e as famílias têm maiores chances de sucesso, sem reincidência. Metas devem ser realistas. Por exemplo, a pessoa que deixou a faculdade em meados do semestre depois de ficar deprimido e com uma tendência a tentar suicídio muito provavelmente não poderia voltar a tempo pleno na faculdade, apenas alguns meses depois e esperar o sucesso. Uma meta mais realista é a pessoa tentar um curso por vez, enquanto ela está se estabilizando. As metas devem ser alcançados em pequenos passos. A pessoa com TPB que sempre morou com os pais pode não ser capaz de ir direto da casa de seus pais para morar sozinha. O plano pode ser dividido em etapas menores, nos quais ela se move primeiro para uma casa de recuperação, e depois em um apartamento supervisionado. Só depois que ela conseguiu alguma estabilidade nas configurações que ela deve tomar o importante passo de viver sozinho.

Os objetivos não devem apenas ser dividido em etapas, mas elas devem ser tomadas em um passo de cada vez. Por exemplo, se o paciente ea família têm objetivos tanto para a conclusão da escola e uma vida independente, pode ser mais sábio para trabalhar em apenas um dos dois objetivos ao mesmo tempo.

FAMÍLIA E AMBIENTE

3. Manter as coisas calmas e com tranquilidade. Apreço é normal. Tom mais baixo. A discordância é normal. Tom mais baixo, também.

Essa diretriz é um lembrete da mensagem central do nosso programa educacional: A pessoa com TPB é prejudicada em sua capacidade de tolerar o estresse no relacionamento (ou seja, a rejeição, críticas, discordâncias) e pode, portanto se beneficiar de um ambiente calmo em casa, calmo . É fundamental ter em menteo quanto que as pessoas com TPB lutam emocionalmente a cada dia. Apesar de sua experiência interna pode ser difícil de explicar o que sentem. Vamos explicá-lo, resumindo em três desvantagens: afeto descontrole, a intolerância de solidão, e pensando em preto e branco.

Para rever:

Descontroles afetam:

Uma pessoa com BPD tem sentimentos que flutuam dramaticamente no decorrer de cada dia e que são particularmente intensos. Essas emoções duramente os atingem. Nós todos experimentamos sentimentos tão intensos, às vezes. Tomemos por exemplo a sensação de coração batendo forte e pavor que você pode sentir quando de repente você percebe que cometeu um erro no trabalho que pode ser muito caro ou constrangedor para o seu negócio. A pessoa com TPB sente essa emoção tão intensa em uma base regular. A maioria das pessoas pode acalmar-se através de tais experiências emocionais dizendo-se que eles vão encontrar uma maneira de compensar o erro ou lembrando-se que é apenas humano cometer erros. A pessoa com TPB não tem essa capacidade de acalmar-se. Um exemplo também pode ser desenhado em um conflito familiar. Todos nós já tivemos momentos em que sentimos raiva contra as pessoas que amamos. Nós normalmente nos acalmamos em tais situações através da elaboração de um plano para ter uma conversa de coração a coração com o membro da família ou por decisão de deixar as coisas acabarem. A pessoa com TPB novamente sente tanta raiva em sua intensidade total e sem ser capaz de acalmar-se através do uso de estratégias de enfrentamento. É o resultado de uma expressão inadequada de hostilidade ou pela atuação dos sentimentos (auto-flagilação, por exemplo).

Intolerância à solidão:

Uma pessoa com TPB geralmente sente-se desesperado com a perspectiva de uma separação – férias de um membro da família ou terapeuta, ruptura de um romance, ou partida de um amigo. Enquanto a maioria de nós provavelmente suporta a ausência de um membro da família, terapeuta ou amigo, a pessoa com TPB geralmente sente pânico intenso. Ela é incapaz de evocar imagens da pessoa ausente para acalmar-se. Ela não pode dizer a si mesma: “Essa pessoa realmente se importa comigo e vai estar de volta para me ajudar.” Sua memória falha nela. Ela só se sente aliviada e cuidada pela outra pessoa quando essa pessoa está presente. Assim, a ausência do outro é vivida como abandono. Ela pode até manter esses pensamentos e sentimentos dolorosos na mente, usando um mecanismo de defesa chamado de dissociação. Este é constituído por um sentimento estranho e perturbador de ser irreal ou separada do corpo.

Pensamento Preto e Branco (pensamento dicotômico):

Junto com os extremos de emoção de extremos de pensamento, a pessoa com TPB tende a ter opiniões extremas. Outros são freqüentemente vistos como sendo ou todas boas ou todas más. Quando a outra pessoa é carinhosa e solidária, a pessoa com TPB a vê mesmo como um salvador, alguém dotado de qualidades especiais. Quando a outra pessoa discorda, ou desaprova, de alguma forma, a pessoa com TPB vê a ele ou ela como sendo maus e indiferentes. A desvantagem está na incapacidade de ver outras pessoas de forma mais realista, como misturas de boas e más qualidades.

Esta revisão das desvantagens das pessoas com TPB é um lembrete de que eles têm uma capacidade diminuída de modo significativo para tolerar o estresse. Portanto, os membros da família podem ajudá-los a alcançar a estabilidade através da criação de um ambiente familiar calmo. Isto significa abrandar e respirar fundo quando surge uma crise em vez de reagir com grande emoção. Isso significa estabelecer metas menores para a pessoa com TPB, de modo a diminuir a pressão que ela está experimentando. Isso significa comunicar quando você está calmo e de uma forma que seja calmo. Isso não significa que as desilusões e desentendimentos devam ser varridas para debaixo do tapete, evitando a discussão dos mesmos. Isso significa que o conflito deve ser abordado de uma forma legal, mas direto, sem uso de comentários mordazes.

4. Manter as rotinas da família, tanto quanto possível. Fique em contato com a família e amigos. Há mais vida do que problemas, então não desista dos bons tempos.

Muitas vezes, quando um membro da família tem uma doença mental grave, toda a família pode tornar-se isolada como um resultado. O tratamento dos problemas pode absorver muito tempo e energia. As pessoas muitas vezes ficam longe dos amigos para esconder um problema que se sentem como estigmatizante e vergonhosa. O resultado desse isolamento pode ser só raiva e tensão. Todo mundo precisa de amigos, festas e férias para relaxar e descontrair. Ao fazer um ponto de ter bons momentos, todos podem esfriar e ver os problemas da vida com a perspectiva de abordagem melhorada. O ambiente doméstico será naturalmente mais calmo. Então você deve ter bons momentos, não só para seu próprio bem, mas por causa de toda a família.

5. Encontre tempo para conversar. Demasiadas vezes, quando os membros da família estão em conflito um com o outro, ou ficam sobrecarregados com a gestão dos graves problemas emocionais, eles esquecem de tirar um tempo para conversar sobre outros assuntos que não a doença. Essas discussões são importantes por vários motivos. A pessoa com TPB geralmente dedica todo seu tempo e energia para sua doença, indo para terapias múltiplas a cada semana, participando do tratamento do dia, etc O resultado é que ela perde a oportunidade de explorar e utilizar a variedade de talentos e interesses que ela tem. Seu senso de auto-identidade é tipicamente fraco e pode ser enfraquecida por este foco total sobre os problemas e a atenção dedicada a ela estar doente. Quando os membros da família tem tempo para falar sobre assuntos não relacionados à doença, que incentivam e reconhecem os aspectos saudáveis de sua identidade e o desenvolvimento de novos interesses. Essas discussões também podem aliviar a tensão entre os membros da família através da introdução de um pouco de humor e distração. Assim, eles o ajudam a seguir a orientação.

Algumas famílias nunca falam desta maneira, e para isso pode parecer antinatural e desconfortável no início. Pode haver uma centena de razões pelas quais não há oportunidade para tal comunicação. As famílias precisam parar e  fazer o tempo. A hora pode ser agendada com antecedência e afixada na porta do frigorífico. Por exemplo, todos podem concordar para jantar juntos algumas vezes por semana com um acordo que não haverá discussão dos problemas e conflitos nestes momentos. Eventualmente, as conversas podem tornar-se hábito e agendamento não será mais necessário.

Gestão de crises

Prestar atenção, mas FIQUE CALMO

6. Não fique na defensiva diante das acusações e críticas.

Mesmo que seja injusto, fale pouco e não lute. Permita-se ser ferido. Admita tudo o que é verdadeiro nas críticas.

Quando as pessoas que se amam ficam com raiva, elas podem lançar insultos pesados em um acesso de raiva. Isto é especialmente verdade para as pessoas com TPB, porque eles tendem a sentir muita raiva. A resposta natural à crítica de que é injusto é a de defender a si mesmo. Mas, como qualquer pessoa que já tentou defender-se em tal situação, sabe que defender-se não funciona. Uma pessoa que está enfurecido não é capaz de pensar através de uma perspectiva alternativa de um modo frio e racional. Tentativas de defender-se apenas poem combustível ao fogo. Essencialmente, a defesa sugere que você acredita que a raiva da outra pessoa é injustificada, uma mensagem que leva a maior raiva.

O que essa pessoa mais deseja é ser ouvido. Claro, ouvindo sem discutir meios de se machucar, porque é muito doloroso reconhecer que alguém que você ama pode se sentir tão ofendido por você. Às vezes as acusações podem ferir, porque elas parecem ser tão francamente falsas e injustas. Outras vezes, elas podem machucar, pois elas contêm algum cerne de verdade. Se você acha que há alguma verdade no que você está ouvindo, admita com uma declaração como: “Eu acho que você está certa. Eu posso ver que eu te machuquei e eu sinto muito. ”

Lembre-se que a raiva é parte do problema para as pessoas com TPB. Pode ser que ela nasceu com uma natureza muito agressiva. A raiva pode representar um lado de seus sentimentos, que podem rapidamente inverter. (Veja a discussão do pensamento preto e branco.) Mantendo estes pontos em mente pode ajudá-lo a evitar tomar a ira pessoalmente.

7. atos autodestrutivos ou ameaças de suicídio requerem atenção.

Não ignore. Não entre em pânico. É bom saber. Não guarde segredo sobre isso. Fale sobre isso abertamente com o seu membro da família e com os profissionais

Há muitas maneiras em que a pessoa com TPB e membros da sua família pode ver os problemas que se aproximam.. A pessoa pode falar de querer se matar. Ela pode se tornar isolada. Ela pode se arranhar superficialmente. Alguns pais têm percebido que suas filhas raspam suas cabeça e pintam seu cabelo cor de néon, por vezes, quando estão em perigo. Mais comumente, o que será evidente é não comer ou ter um comportamento imprudente. Às vezes as provas são contundentes – um gesto suicida feito na presença do pai. O problema pode ser previsto quando ocorrem as separações ou férias.

Quando as famílias vêem os sinais dos problemas podem estar relutantes em lidar com eles. Às vezes a pessoa com TPB  vai insistir em que sua família “fique de fora.” Ela pode apelar para o seu direito à privacidade. Outras vezes, há o pavor dos membros da família de falar diretamente sobre um problema, porque a discussão pode ser difícil. Na verdade, as famílias temem pela segurança de sua filha nestas situações porque conhecem os sinais de aviso de problemas com a experiência. Os problemas não são criados por meio de perguntas. Ao abordar comportamentos provocantes com antecedência, os membros da família podem ajudar a evitar mais problemas. Pessoas com TPB geralmente têm dificuldade de falar sobre seus sentimentos e, em vez disso tendem a agir sobre eles de forma destrutiva. Portanto, resolver um problema abertamente investigando isso com sua filha ou se ela falar com seu terapeuta ajuda a lidar com seus sentimentos com palavras ao invés de ações.

A privacidade é, naturalmente, uma grande preocupação quando se está lidando com um adulto. No entanto, o valor de competir nestas situações de perigo iminente é a segurança. Ao tomar decisões difíceis sobre chamar ou não o terapeuta ou chamar uma ambulância, deve pesar mais a preocupação com a segurança contra a preocupação com a privacidade. A maioria das pessoas concorda que a segurança vem em primeiro lugar. Pode haver uma tentação de sub-reagir, a fim de proteger a privacidade do indivíduo. Ao mesmo tempo, pode haver a tentação de reagir de maneiras que dão o reforço a pessoa por seu comportamento. Uma jovem com TPB disse à mãe animadamente durante um passeio de ambulância para um hospital psiquiátrico, “Eu nunca estive em uma ambulância antes!” As famílias devem solicitar um julgamento à sua situação individual. Os terapeutas podem ser úteis na antecipação de crises e estabelecimento de planos que se adaptam as necessidades da família do indivíduo.

8. Ouça.

As pessoas precisam ter seus sentimentos negativos ouvidos. Não diga: “Não é assim.” Não tente fazer o sentimento ir embora. Usando palavras para expressar o medo, a solidão, impotência, raiva, ou necessidades é bom. É melhor usar as palavras do que agir sobre os sentimentos.

Quando os sentimentos são expressos abertamente pode ser doloroso ouvir. A filha pode dizer a seus pais que se sente abandonado ou não amada por eles. Um pai pode dizer a um filho que ele está no fim de sua corda com a frustração. Ouvir é a melhor maneira de ajudar uma pessoa sentimental a se acalmar. As pessoas gostam de ser ouvidas e ter seus sentimentos reconhecidos. Isso não significa que você tem que concordar. Vejamos os métodos de escuta. Um método é permanecer em silêncio enquanto parecem interessados e preocupados. Você pode fazer algumas perguntas para transmitir o seu interesse. Por exemplo, alguém pode perguntar: “Quanto tempo você já se sentiu assim?” Ou “O que aconteceu que desencadeou os seus sentimentos?” Repare que esses gestos e questões implicam acordos de escuta. Outro método de escuta é fazer declarações que expressam que voce realmente o ouviu. Com estas afirmações, você provar que você está realmente ouvindo o que a outra pessoa está dizendo. Por exemplo, se sua filha lhe diz que se sente como se você não a amasse, você pode dizer, mesmo que você está pensando em quão ridículo isso parece, “Você se sente como se eu não te amasse??” Quando uma criança está dizendo a seus pais que ela sente como se ela tivesse sido tratada injustamente por eles, os pais podem responder, “Você se sente enganado, hein?” Observe mais uma vez, essas demonstrações de empatia não implicam concordância.

Não se apresse para discutir com um membro da família sobre os sentimento da pessoa com TPB. Como dissemos acima, tais argumentos podem ser infrutíferos e frustrantes para a pessoa que quer ser ouvida. Lembre-se, mesmo quando ele pode sentir dificuldade para reconhecer os sentimentos que você acredita que não têm base na realidade, ele se machuca para recompensar tal expressão. É bom para as pessoas, especialmente os indivíduos com TPB, para colocar seus sentimentos em palavras, não importa o quanto esses sentimentos são baseadas em distorções. Se as pessoas acham a expressão verbal de seus sentimentos gratificante, eles são menos propensos a atuar sobre os sentimentos de forma destrutiva.

Ao ouvi-los e demonstrar que você os ouviu usando os métodos descritos acima, você ajuda o indivíduo a se sentir um pouco menos solitário e isolado. Tais sentimentos são uma experiência comum, do cotidiano das pessoas com TPB. Os pais geralmente não sabem e muitas vezes não queremos acreditar que sua filha/filho se sinta desta maneira. Os sentimentos se tornam um pouco menos dolorosa, uma vez que são compartilhados.

Os membros da família podem ser rápidos para tentar falar com alguém de fora de tais sentimentos, argumentando e negando os sentimentos da pessoa com TPB. Tais argumentos são bastante frustrantes e decepcionantes para a pessoa com TPB expressar os sentimentos. Se os sentimentos são negados quando se expressam verbalmente, o indivíduo pode ter de agir sobre eles, a fim de obter a sua mensagem transversalmente.

ENFRENTAR PROBLEMAS

Colabore e seja coerente

9. Ao resolver problemas de um membro da família, sempre:

a) envolva o membro da família na identificação do que precisa ser feito

b) pergunte se a pessoa pode “fazer” o que é necessário na solução

c) pergunte se eles querem que você os ajude a “fazer” o que é necessário

Os problemas são melhor resolvidos através da discussão aberta na família. Todos precisam fazer parte da discussão. As pessoas estão mais propensos a fazer a sua parte quando eles são convidados para a sua participação e as suas opiniões sobre a solução são respeitados. É importante perguntar a cada membro da família se ele ou ela se sente capaz de fazer os passos chamados para a solução planejada.

Ao perguntar, você mostra o reconhecimento da dificuldade que aquela tarefa pode ter para a outra pessoa. Isto vai de mãos dadas com o reconhecimento da dificuldade de mudar.

Você pode sentir um impulso poderoso para intervir e ajudar outro membro da família. Sua ajuda pode ser apreciada ou pode ser uma invasão indesejada. Ao perguntar se ele quer sua ajuda, antes de entrar em cena, sua ajuda é muito menos provável de causar melindres. Pergunte antes.

10. Os membros da família precisam agir em harmonia uns com os outros. inconsistências dos pais e conflitos familiares graves podem piorar a situação da pessoa com TPB.

Os membros da família podem ter forte visões contrastantes sobre como lidar com qualquer comportamento determinado em sua relação com TPB. Quando cada um age em seus pontos de vista diferentes, anulam o efeito de cada um dos outros esforços. O resultado típico é uma crescente tensão e ressentimento entre os membros da família, bem como a falta de progresso na superação do problema.

Um exemplo ilustra o ponto. Uma filha freqüentemente chama de casa pedindo ajuda financeira. Ela desenvolveu uma grande dívida de cartão de crédito. Ela quer roupas novas. Ela não foi capaz de economizar dinheiro suficiente para pagar seu aluguel. Apesar de seu constante desejo de fundos, ela é incapaz de assumir a responsabilidade financeira pela estabilização de um emprego ou vivendo com um orçamento. Seu pai expressa uma attitude firme, se recusando a fornecer os fundos, e insistindo para que ela assuma a responsabilidade de tentar resolver o problema sozinha. A mãe, entretanto amolece facilmente com cada pedido e lhe dá os recursos que ela quer. Ela sente que a prestação da ajuda financeira extra é uma forma de aliviar o estresse emocional da filha. O pai então se ressente de desfazer a mãe de seus esforços no limite de ajuste, enquanto a mãe descobre que o pai seja excessivamente duro e acusa-o para o curso de piora da filha. O comportamento da filha persiste, é claro, porque não existe nenhum plano coerente para lidar com a questão financeira. Com algum tipo de comunicação, eles podem desenvolver um plano que prevê um montante adequado de apoio financeiro, que não seria visto como muito duro por parte da mãe, mas não seria considerada excessivamente generosa aos olhos do pai. A filha vai aderir ao plano só depois de ambos os pais aderirem a ele.

Irmãos e irmãs também podem envolver-se nestes conflitos familiares e interfiriem uns com os outros nos esforços em lidar com problemas. Nessas situações, os familiares precisam se comunicar mais abertamente sobre suas visões contrastantes sobre um problema, ouvir umas às outras perspectivas, e, em seguida, desenvolver um plano que todos possam manter.

11. Se você tiver preocupações sobre medicamentos ou intervenções do terapeuta, certifique-se que ambos: os membros da sua família e seu terapeuta ou o médico / entendam o tratameto. Se você tem a responsabilidade financeira, você tem o direito de apresentar as suas preocupações com o terapeuta ou médico.

As famílias podem ter uma variedade de preocupações sobre o uso do seu ente querido a medicação. Eles podem querer saber se o psiquiatra está ciente dos efeitos colaterais que o paciente está experimentando. Podem ver com o psiquiatra porque seu filho está sedado ou ganhando muito peso. Estaria ele ou ela submetendo o paciente ao perigo, ao prescrever medicamentos em excesso? Familiares e amigos podem se perguntar ao médico ou terapeuta sabe o grau de adesão do paciente ou de não-história de abuso de substâncias.

Quando os membros da família têm essas preocupações, muitas vezes eles sentem que não devem interferir, ou é dito pelo paciente a não interferir. Sentimos que, se os membros da família desempenham um papel importante de apoio na vida do paciente, tais como apoio financeiro, apoio emocional, ou pelo compartilhamento de sua casa, eles devem fazer esforços para participar no planeamento de tratamento para aquele indivíduo. Eles podem desempenhar esse papel em contato com o médico ou terapeuta e diretamente expressar suas preocupações. Os terapeutas não podem liberar informações sobre os pacientes que estão com idade acima de 18 anos sem consentimento, mas podem ouvir e aprender com os relatos de familiares próximos do paciente e amigos. Às vezes, eles vão trabalhar com os membros da família ou amigos, mas, obviamente, com o consentimento do paciente.

DEFINIÇÃO DE LIMITE

1.Ser directo, CUIDADO

2. Estabeleça limites, estabelecendo os limites de sua tolerância. Deixe suas expectativas sejam conhecidos em linguagem clara e simples. Todo mundo precisa saber o que é esperado deles.

As expectativas precisam ser definidos de forma clara. Demasiadas vezes, as pessoas assumem que os membros da sua família devem conhecer suas expectativas automaticamente. Muitas vezes, é útil dar-se tais pressupostos.

A melhor maneira de exprimir a sua expectativa é em evitar quaisquer ameaças. Por exemplo, poderíamos dizer, “Eu quero que você tome um banho pelo menos a cada dois dias.” Quando expresso dessa forma, a afirmação coloca a responsabilidade sobre a outra pessoa para cumprir as expectativas. Muitas vezes, nessas situações, os membros da família se sentem tentados a impor uma expectativa anexando ameaças. Quando se sente muito tentado, alguém poderia dizer: “Se você não tomar um banho pelo menos dia sim dia não, vou pedir-lhe para sair.” O primeiro problema com essa afirmação é que a pessoa que faz a afirmação assume a responsabilidade. Ele está dizendo “eu” vou tomar medidas, se “você” não cumprir sua responsabilidade em vez de dar a mensagem “Você precisa assumir a responsabilidade!” O segundo problema com esta afirmação é que a pessoa pode ceder a ameaça, se pressionado. A ameaça torna-se uma expressão vazia de hostilidade. Claro, pode chegar a um ponto em que os membros da família se sentem compelidos a dar um ultimato com a verdadeira intenção de agir sobre ele. Vamos discutir esta situação mais tarde.

13. Não protegem os membros da família das conseqüências naturais de suas ações. Deixe-os a aprender sobre a realidade. Pessoas com TPB podem se engajar em comportamentos perigosos, nocivos. O pedágio emocional e financeiro para o indivíduo e para família pode ser enorme. No entanto, membros da família podem, por vezes, não medir esforços para fazer os desejos do indivíduo, desfazer o dano, ou proteger a todos da vergonha. Os resultados dessas formas de protecção são complexas. Em primeiro lugar, o comportamento problemático deve persistir, porque não se pagou o preço de suas ações ou trouxe a algum tipo de recompensa individual. Em segundo lugar, os membros da família tendem a se tornar furiosos porque eles se ressentem de ter sacrificado integridade, dinheiro e boa vontade em seus esforços de proteção. Neste caso, as tensões no lar aumentam ,embora haja a esperança de que as medidas de proteção foram para evitar a tensão. Enquanto isso, a raiva pode ser recompensada em algum nível para o indivíduo porque faz-lhe o foco de atenção, mesmo que a atenção seja negativa. Em terceiro lugar, o indivíduo pode começar a mostrar esses comportamentos fora da família e enfrentar o maior dano e perda no mundo real do que ela teria enfrentado no ambiente familiar. Alguns exemplos ilustram o ponto.

A filha põe um punhado de comprimidos na boca na presença de sua mãe. A mãe põe a mão na boca da filha para varrer as pílulas. É razoável para evitar danos médicos desta maneira. A mãe, então, considera chamar uma ambulância, porque ela pode ver que a filha é uma suicida e está em risco de prejudicar a si mesma. No entanto, esta opção teria algumas consequências muito negativas. A filha e a família teriam de enfrentar o constrangimento de ter uma ambulância na frente da casa. A filha não quer ir para o hospital e ficaria furiosa e fora de controle, se a mãe chamasse a ambulância. Uma mãe nessa situação seria fortemente tentada a não chamar a ambulância, a fim de evitar a ira da filha e para preservar a imagem da família no bairro. Ela pode racionalizar a decisão de se convencer de que a filha não está em perigo imediato. O principal problema com essa escolha é que ele mantém a filha longe de alcançar ajuda muito necessária em um momento em que ela foi e ainda pode ser suicida. A mãe estaria ajudando a filha na negação do problema. Perícia médica é necessária para determinar se a filha está em risco de prejudicar a si mesma. À medida que ela aumenta, ela pode fazer um gesto ainda mais dramático e enfrentam maiores danos físicos. Além disso, se uma ambulância não for chamada por medo de incorrer em sua ira, ela recebe a mensagem de que ela pode controlar os outros, ameaçando tornar-se irritada

Uma mulher de 25 anos rouba dinheiro de membros da sua família, enquanto está morando com eles. Os membros da família expressam raiva grande para ela e, por vezes, ameaçam pedir a ela para sair, mas nunca tomar qualquer ação real. Quando ela pede emprestado o dinheiro, eles dão o empréstimo, apesar do fato de que ela nunca retribui a esses empréstimos. Eles temem que, se não emprestarem o dinheiro, ela pode roubá-lo de alguém fora da família, levando a problemas legais para ela e humilhação para todos os envolvidos. Neste caso, a família tem ensinado a filha que ela pode fugir com o roubo. Ela, essencialmente, chantageou-os. Eles dão a ela o que ela quer, porque eles estão vivendo com medo. O comportamento da filha é muito provável que persistirá enquanto não há limites definidos no mesmo. A família poderia deixar de protegê-la, insistindo em que ela se mova para fora ou parando de dar empréstimos. Se ela roubar alguém fora da família e enfrentar as consequências jurídicas, esta pode vir a ser uma valiosa lição sobre a realidade. conseqüências legais podem influenciá-la a mudar e, posteriormente, a funcionar melhor fora da família.

Espero que você tenha um ótimo dia =)

Beijos me “e-mail” =)

Sejam Bem Vindos!!!

Oi Pessoal!

Acho que a maioria de vocês já me conhecem do canal Quebre o Silêncio http://www.youtube.com/user/quebreosilencio e eu quero dar boas vindas a vocês nesse meu novo espacinho online =)

Eu ando muito ocupada na faculdade e aqui posso postar com mais freqüência e também publicar materiais bem legais sobre TPB, como aqueles que envio a alguns de vocês por e-mail. Para quem está e perguntando… “O Quebre os Silêncio vai acabar?” Claro que não! Esse é só mais um meio de comunicação com vocês que me permitirá compartilhar informações que dificilmente conseguiria compartilhar pelo canal no youtube.

Deixo aqui um vídeo de Boas Vindas! A letra é em homenagem a todos vocês!!!

True Colors (Cores Reais)

Você, com olhos tristes,
Não fique desanimado.
Oh, eu sei,
É difícil criar coragem,
Num mundo cheio de pessoas
Você pode perder tudo de vista,
E a escuridão dentro de você
Pode te fazer sentir tão insignificante…
Mas eu vejo suas cores reais
Brilhando por dentro.
Eu vejo suas cores reais
E é por isso que eu te amo.
Então não tenha medo de deixá-las aparecerem,
Suas cores reais.
Cores reais são lindas
Como um arco-íris.
Mostre-me um sorriso então,
Não fique infeliz, não me lembro
Quando foi a última vez que vi você sorrindo.
Se este mundo te deixa louco
E você aguentou tudo que consegue tolerar,
Me chame
Porque você sabe que estarei lá
E eu vejo suas cores reais
Brilhando por dentro.
Eu vejo suas cores reais
E é por isso que eu te amo.
Então não tenha medo de deixá-las aparecerem,
Suas cores reais.
Cores reais são lindas
como um arco-íris…
Não me lembro
A última vez que vi você sorrindo
Se este mundo te deixa louca
E você deu tudo o que você pode suportar
Me chame
Porque você sabe que eu estarei lá
E eu verei suas cores reais
Brilhando por dentro
Eu vejo suas cores reais
E é por isso que eu te amo
Então não tenha medo de deixá-las aparecerem,
Suas cores reais, cores reias
Cores reais estão brilhando através de você
Eu verei suas cores reais
E é por isso que eu te amo
Então não tenha medo de deixá-las aparecerem,
Suas cores reais
Cores reais são lindas,
Como um arco-íris…